"Eu estava, posso confessar agora, morrendo de medo. Apavorado. E não podia dizer uma única palavra àquelas pessoas queridas, pois as mataria também. Medo que guardei em segredo… Embora todos estivessem ao meu redor, nunca me senti tão só, nunca! Estava caminhando numa direção oposta e desconhecida, indo contra a corrente, desafiando os que duvidavam e me afastando dos poucos que acreditavam."
"Mas, ao me encontrar afinal só, só e independente, senti uma súbita calma… Era preciso vencer o medo; e o grande medo, meu maior medo na viagem, eu venci ali, naquele mesmo instante, em meio à desordem dos elementos e à bagunça daquela situação. Era o medo de nunca partir. Sem dúvida, este foi o maior risco que corri."
Trechos de Cem dias entre céu e mar, Amyr Klink

"Eu estava, posso confessar agora, morrendo de medo. Apavorado. E não podia dizer uma única palavra àquelas pessoas queridas, pois as mataria também. Medo que guardei em segredo… Embora todos estivessem ao meu redor, nunca me senti tão só, nunca! Estava caminhando numa direção oposta e desconhecida, indo contra a corrente, desafiando os que duvidavam e me afastando dos poucos que acreditavam."

"Mas, ao me encontrar afinal só, só e independente, senti uma súbita calma… Era preciso vencer o medo; e o grande medo, meu maior medo na viagem, eu venci ali, naquele mesmo instante, em meio à desordem dos elementos e à bagunça daquela situação. Era o medo de nunca partir. Sem dúvida, este foi o maior risco que corri."

Trechos de Cem dias entre céu e mar, Amyr Klink

Notas

  1. inesstein reblogou esta postagem de olhartransitivoindireto
  2. olhartransitivoindireto publicou esta postagem